Esta semana foi uma das idas e vindas, especialmente em Madri, sobre se devemos ou não mudar de fase, se passarmos de zero para um, neste estado de alarme que dura até 24 de maio. Podemos continuar andando nos horários e modos estabelecidos, mas permanecemos na fase zero. Melhor fazê-lo com calma.

Em um nível pessoal, foi uma semana rica de profunda conexão interior, viajar por dentro em silêncio e solidão me revitaliza e me ajuda a pensar e ordenar sentimentos e experiências. E também passear sozinho, quase sempre ao entardecer, permite que eu aproveite o dia agradecendo esse momento que me faz sentir um diferente, mas não tenho pressa, saborear cada um dos dias para que nada seja desperdiçado.

Essa interioridade é preenchida por rostos e situações muito duros e dolorosos, de muito sofrimento e deficiências básicas em pessoas próximas e distantes, mas que do mundo digital entram na minha casa e quando fecho o computador, ao mudar a cena na tela, não é eles vão, mas são gravados no meu coração, na minha retina, nos meus ouvidos e se tornam parte de mim.

Estou descobrindo essa força de conexões virtuais que têm uma boa dose de realidade, mesmo que não haja contato físico; eles entram e ficam no quarto da casa e nas profundezas mais profundas do eu e se tornam um nós, ou um eu habitado pelo mundo que me pertence e do qual nada me é estranho.

Esta semana em Entreculturas, que cumpre seu lema dessa época #entreculturascuida, nos ofereceu espaços de treinamento como o da Amazônia; uma conexão com a equipe itinerante que está em Iquitos (Peru) que nos encheu de grande emoção ao ver pessoas conhecidas do Sínodo e agora ouvir sua situação. Necessidades básicas não atendidas, no nível da saúde, sem meios, com o paradoxo de não ter oxigênio sendo o pulmão do planeta...

Foi uma hora de escuta descrevendo a difícil situação que eles viviam enquanto ouvíamos a respiração contida; a imensa distância de quilômetros se torna repentinamente aquela proximidade que deixa nossos corações muito emocionados e nos perguntamos o que podemos fazer.

Eles nos lembraram, como em outros tempos, "uma selva sem a outra não tem solução"; Precisamos apertar as mãos, apoiar a extensão de nossas forças, para que essa realidade nos penetre profundamente e faça parte de nós, porque sofrer a humanidade, próxima ou distante, não pode nos deixar como se nada tivesse acontecido.

Enquanto isso, no mapa nacional um cenário diferente começa a aparecer, algumas províncias mudaram de fase, abriram pequenos parques, nos fins de semana há mais estradas sem tráfego; Os preparativos começam nas igrejas e em outros locais de culto para retomar as celebrações, mas a vida ainda tem um ritmo bastante particular; nós cruzamos com as pessoas, mas mantendo distância, quase não nos olhamos porque a máscara esconde grande parte do rosto, não podemos tocar ou nem nos aproximar, para comprar comida que temos na fila - às vezes há muito tempo - no entanto, existem rostos amigáveis, tratamento cordial , delicadeza em respeitar os espaços; É como se houvesse um pacto não dito para nos tratar bem, a fim de compensar a falta espontânea de naturalidade.

Não sei quando voltaremos ao ritmo anterior. Eu não gostaria que repetíssemos como era. Adoro sonhar com essa maneira de nos tratar delicadamente, de não nos considerarmos as únicas filhas do mundo, mas de perceber que nossa humanidade é muito desigual e precisamos redistribuir os bens para que alcancem todos os seres humanos. Sonho que perceberemos como somos frágeis, que a convicção de que a crise é uma oportunidade de maior crescimento, mergulhar em nossa riqueza interior, mas também sabemos que não podemos superá-la na solidão, precisamos nos dar Por outro lado, cuide de nós para cuidar.

Sonho que a esperança seja a capa que nos cobre por dentro e por fora; que nos permite lucidez crítica para não ignorar a realidade dolorosa, mas sem alarmes ou anúncios ameaçadores; nos fortalecendo para permanecer na escuridão do túnel, confiando que a luz virá.

Termino copiando os versos de Mario Benedetti muito apropriados para esta situação:

"Não desista, por favor, não desista, mesmo que o frio queime, 
mesmo que o medo morda, mesmo que o sol se ponha e o vento esteja silencioso; 
ainda há fogo em você alma, ainda há vida em seus sonhos,
porque cada dia é um começo, porque esta é a hora e o melhor começo... "

E no caso de esquecermos, alguém muito tempo antes também nos deixa sem fôlego:

"Coragem, não tema... eu estarei com você todos os dias até o fim do mundo..."

María Luisa Berzosa fi
Entrevías - Madrid

0
0
0
s2sdefault