SABER UN POCO MAIS DA USG/UISG

Em Roma, nos dias 26, 27 e 28 de maio, realizaram a Assembleia Geral a União dos Superiores Gerais (USG), cujo presidente é Arturo Sosa, da Companhia de Jesus, e a União Internacional das Superioras Gerais (UISG). a presidente é Jolanta Kafka, das Missionárias Claretianas.

Pela primeira vez, os dois sindicatos realizaram sua assembleia juntos. Graciela Francovig, nossa Superiora Geral, participou.

O assunto tem sido muito sugestivo e atual: 

"Tornem-se irmãs, tornem-se irmãos:

a vida consagrada a serviço da fraternidade em um mundo ferido ”.

Tendo em conta a situação em que vivemos, a Assembleia esteve online, entre as 13h00 e as 16h00, hora de Roma.

Pedimos a Graciela que nos informasse sobre o desenvolvimento desta Assembleia e também que compartilhasse suas experiências mais significativas nestes dias.

Ela teve uma intervenção junto com outra superiora geral, a quem foi pedido um testemunho e o título foi: "O que significa para mim estar perto das minhas irmãs e dos feridos?"

Mas, como ela gentilmente concordou com o pedido, fizemos algumas perguntas e é melhor ouvir sua experiência ao vivo.

1. Poderia nos explicar em que consistiu esta Assembleia Paritária?

Esta Assembleia conjunta, de superiores e superioras gerais, foi uma iniciativa de cada uma das Uniões, motivada pelo pedido do Papa aos religiosos para o tratamento de Fratelli Tutti e também pelo caminho de sinodalidade para o qual nos preparamos como Igreja.

Em um momento de pandemia, fizemos isso para o Zoom, eles estabeleceram um prazo de inscrição. Éramos cerca de 250 participantes. Sabemos que a vida religiosa feminina tem um número muito maior, mas cuidou-se para que os números fossem justos. Como não nos conhecíamos, nos meses de março e abril tivemos, como opção, uma pré-montagem para “colocar na cara”. Esses encontros anteriores foram por um dia e nós simplesmente conversamos sobre uma questão sempre referente à encíclica. Foi uma boa preparação para o encontro a que nos referimos.

2. O que significou o desenvolvimento do tema escolhido?

No primeiro dia, após a apresentação dos dois presidentes, ouvimos os depoimentos de um superior geral e de uma superiora geral. Nesse caso, éramos o superior geral dos Irmãozinhos de Jesus e eu.

Pediram-nos um testemunho de nossa vida em torno do nº 115 do FT. “O serviço sempre olha para o rosto do irmão, toca sua carne, sente sua proximidade e até em alguns casos sofre com isso e busca a promoção do irmão”.

No segundo dia, tivemos uma apresentação do Cardeal Antonio Tagle sobre as raízes bíblicas do FT. E na terceira e última trabalhamos as conclusões dos dois dias anteriores, baseadas em um longo tempo de diálogo em grupos de línguas.

3. Qual tem sido a metodologia seguida?

Pareceu-me uma metodologia dinâmica e criativa, com os meios tecnológicos que temos atualmente: uma apresentação inicial e um trabalho de grupos linguísticos a partir de questões elaboradas para aprofundar a apresentação realizada. E ao final, na assembleia geral, o dia foi recolhido com o auxílio de uma pessoa externa, utilizando a técnica do 'gravador gráfico'.

Os grupos tinham nossas ideias em comum com uma palavra ou frase. Foi interessante descobrir o que mais se destacou nos grupos linguísticos, tendências acentuadas puderam ser vistas na vida religiosa de alguns e outros lugares. Muito interessante!

4. O que você apontaria como mais significativo?

O mais significativo, não só para mim, mas para todos, foi a partilha dos dois Sindicatos. Foi uma partilha de grande qualidade, em um nível profundo, de nos sentirmos verdadeiramente irmãs e irmãos. Uma fraternidade que nos trouxe consolo nesses três dias. Acho que o Espírito fez mais por nós do que os organizadores pretendiam. Superou todas as expectativas.

Destaco também a simplicidade nas relações, a proximidade, a busca e os desafios que realizamos juntos, compartilhando o que a pandemia está significando para nossas Congregações. O mundo está ferido, nossas sociedades estão feridas e nós, nós, fazemos parte desse mundo e também somos vulneráveis ​​e - por que não dizer - feridos em nossas comunidades.

5. Com certeza você tem uma mensagem para a Família Mãe Cândida, como você a formularia?

A mensagem do desejo é que primeiro leiamos Fratelli Tutti. Existem muitas conferências, encontros, explicações sobre a encíclica, mas não sei se todos nós a conhecemos diretamente. O carisma de Madre Cândida, no qual a filiação é uma grande nota, traz como consequência a fraternidade, porque somos crianças, então somos irmãos.

Mas "temos que nos tornar irmãs, irmãos". Isso não é algo que acontece automaticamente ou naturalmente. Você tem que passar por esse processo de sair para encontrar o outro. Que sejamos Família cessante, que nos encontre, e possamos caminhar juntos nesta Igreja que quer promover, cada vez mais, este caminho de sinodalidade.

Você quer adicionar mais alguma coisa?

Graças a Deus e a todos os meus companheiros de serviço das superiores gerais, porque nestes dias pudemos descobrir a surpresa de nos sentirmos assim “irmãos, irmãs”.

Muito obrigada, Graciela; é um encorajamento saber que caminhamos cada vez mais em fraternidade. Isso nos ajuda a continuar.

María Luisa Berzosa, FI -Roma-

 

0
0
0
s2sdefault