Como anunciei na semana passada, esta é minha última parcela de viagem do coração. Comecei no domingo, 15 de março e, até agora, todo domingo venho dando uma palavra a essa situação que temos que viver. Mas considero que há tempo para tudo: tempo para falar e tempo para ficar em silêncio; tempo para se comunicar e tempo para assimilar, tempo para expor e me expor e tempo para me reservar.

Gosto de escrever, colocar uma palavra no que estou vivendo me ajuda e me permite expor o que vejo e, acima de tudo, o que sinto. Não apenas narrar, informar, mas comunicar que me parece que são coisas diferentes, embora sejam semelhantes. Passar por essas 12 semanas, a maioria delas, em confinamento total, foi um momento privilegiado para me deixar sentir em muitas horas de silêncio e poder espalhar para meus amigos minhas emoções variadas, sempre de dentro para fora.

Esse final foi um dos mais intensos em nível pessoal, mas também pude ser um observador do que está acontecendo em nosso ambiente nesta era de coronavírus. E isso me preocupa novamente, e de maneira tão forte que me causa dor real, o panorama que nossos parlamentares estão oferecendo. Sinto muita vergonha dos outros. Um cenário semelhante, cheio de insultos pessoais e familiares, sem um nível mínimo de respeito - não peçamos bondade e bom tratamento, seria demais! - é pelo menos embaraçoso.

E isso nunca pode ser justificado, mas muito menos em momentos históricos como os que temos. Parece não ter peso para os milhares de mortos do que deixamos em um longo duelo como país; Ele não leva em consideração o número de famílias que estão perdendo seus empregos, os serviços sociais que estão se esgotando e não podemos continuar a responder a emergências em todos os níveis.

Eu me pergunto o que nossos políticos precisam se unir, para focar juntos nos problemas reais da sociedade. Dá a impressão de que a etimologia dessa palavra é desconhecida, porque os assuntos públicos não merecem atenção, mas que os personalismos estão aparecendo e usando os métodos desqualificantes mais ofensivos e desagradáveis. É esse o uso que eles fazem de seu poder? É claro que o serviço à sociedade não importa, não merece atenção, então? A que nos sentimos condenados como país? Certamente, proclamamos em todos os lugares que "ficamos mais fortes" ... realmente, isso pode ser credível? Mais forte em quê: esmagar, impor, insultar, buscar o que é meu sem levar em conta o nós? Acredito firmemente que precisamos entrar antes de sair; entrar em reflexão, conscientização e responsabilidade, encarregando-se das conseqüências dessa pandemia que não pode ser resolvida com frases publicitárias.

No entanto, juntamente com esse panorama que aparece - e é! - muito sombrio, a sociedade também se mantém firme: profissionais de saúde que não param de jogar pela saúde dos cidadãos, educadores que continuam a dar aulas a pé, sem deixar de acreditar e apostar na educação como uma ferramenta eficaz para pessoas e sociedades; funcionários públicos que se dedicam incansavelmente a tornar esse momento difícil mais suportável para todas as pessoas, pesquisadores que procuram uma vacina que remedie essa pandemia ... incontáveis ​​o número daqueles que praticam política nas ruas sem palavras sonoras, com bondade , com verdadeira responsabilidade social e bom trabalho.

E isso nos mantém em esperança e confiança, esse complexo vitamínico de que precisamos em grandes doses e que não é mágico, ele precisa misturar trabalho bem feito para que o vácuo de trabalho que nos chega seja recuperado, com apostas firmes por parte das autoridades. Esperamos trazer o melhor de cada pessoa, esses recursos para resistir à superação, permanecer para continuar sonhando com o futuro e que tenha a dignidade que nós, como seres humanos, precisamos.

E não posso terminar essas histórias sem lembrar que hoje celebramos a festa do Pentecostes, isto é, a vinda do Espírito Santo, festa da Igreja, da vida, da luz e força de um vento impetuoso; Aqueles 50 dias do fim da Páscoa, este ano foi tão especial que certamente não esqueceremos.

E a Palavra deste domingo nos lembra:

"... os discípulos foram fechados em casa por medo ... e Jesus aparece dizendo: Paz para você ..." Como estamos superando os medos que nos confinam em casa e dentro de nós? De que maneira estamos criando uma cadeia de paz? boas notícias estamos transmitindo?

E por feliz coincidência também em 31 de maio de 1845, Santa Cándida María de Jesus nasceu. Essa celebração também é virtual, mas não menos importante, e muito universal, porque a mídia permite; nos conectamos e nos encontramos na tela porque antes de nos conectarmos no coração.

E termino com palavras emprestadas de experiências profundas da vida, como a de V. Frankl em seu memorável livro "O homem em busca do significado".

- Quando aceito o que não posso mudar, me sinto livre.
- Na vida, há tempo para tudo, exceto se render.
- As pessoas são feitas de coragem e esperança.

Também precisamos em tempos de crise, verso e rima que a poesia de Unamuno nos traz: "Para a esperança"

Esperanza inmortal, genio que aguardas /  Esperança imortal, gênio que aguarda
al eterno Mesías, del que sabes /  o eterno Messias, do qual você conhece
que nunca llegará, tú la que guardas /  que nunca virá, você que mantém
a tu hija la fe con siete llaves /  a sua filha fé com sete chaves
y que ante la razón no te acobardas /  e que, diante da razão, você não vacila
si no haces a los corazones aves /  se você não fizer corações pássaros
para volar sobre las nubes pardas /  voar sobre as nuvens marrons
de la fosca verdad, ya en mí no cabes. /  da verdade grosseira, você não se encaixa mais em mim.

Muito obrigado pelos ecos e mensagens recebidas nessas viagens! Continuamos caminhando em esperança e com esperança ...

María Luisa Berzosa fi  Entrevías - Madrid

0
0
0
s2sdefault