Essas viagens do coração estão chegando ao fim.

No próximo domingo, 31 de maio será minha última história. O mês termina e o panorama socio-sanitário muda.

Esta semana que termina me deixa uma certa preocupação com a violência que foi desencadeada em muitas de nossas ruas na capital Madri e em outros municípios. Com forte presença, embora não exclusivamente, de jovens.

E por que me preocupa se a radicalidade apaixonada é inerente à juventude, ser jovem é ser combativo, afirmar-se visceralmente, opor-se aos sistemas estabelecidos? Porque percebo que uma pequena dose de intolerância é o componente dessas revoltas. Um contra o outro e todos acreditando que possuem a bandeira da única verdade.

E também me preocupo com o fato de que, diante de uma situação de pandemia que nos afeta tão universalmente, não deixemos nossas visões particulares e partidárias. O que precisamos para nos permitir ser afetados e olhar para tantas pessoas que estão sofrendo? O que tem que acontecer no mundo para que possamos ser afetados e sair das paredes que nos fecham? E não estou me referindo apenas à doença e à morte que nos acompanham e que são imensas, mas às conseqüências que já vêm de um nível socioeconômico acima de tudo.

Será que não podemos viver com idéias diversas? Uma pena! Quando nosso mundo é atravessado pelas trocas de culturas diversas, de pessoas de diferentes raças, cores, idiomas, princípios sócio-políticos, religiosos, filosóficos ... entrelaçando-se nessas lutas de imposição violenta, parece-me um retrocesso ou viver em outra era . É por isso que acho contraditório a participação de jovens - ou nós, adultos, somos responsáveis ​​por isso.

Mas na semana mais coisas aconteceram e cheias de pequenos gestos da vida que eu não quero esquecer. Durante o confinamento, parece que foram criados alguns livros que verão a luz do dia no próximo mês; depois do inverno forçado, junho florescerá literariamente. "Querida Amazônia: da conversão ao sono" é um guia para ler a Exortação Pós-Sinodal, compartilhada com Jaime Tatay sj e Rafael Luciani, um teólogo leigo da Venezuela.

"Caminos de reconciliación: Diez historias de fe y amor LGTBI”, (Caminhos da reconciliação: dez histórias de fé e amor LGTBI), às quais pus um prefácio e que foi compilado por Pablo Romero. E um livro acadêmico de vários autores, sob a direção de Javier de la Torre, professor de Comillas como Pablo, com o título “Homosexualidades y cristianismo en el siglo XXI” (Homossexualidades e cristianismo no século XXI). Questões da vida, de nossa sociedade, que é bom ter uma carta de cidadania e nos oferecer para continuar nos aprofundando e nos abrindo para a "casa comum" e nela para todo ser humano.

E a notícia segue: na quarta-feira, dia 20, acordamos com a morte de Adolfo Nicolás sj, superior geral da Sociedade de Jesus por 8 anos, de 2008 a 2016. Sabíamos de sua doença grave, mas a morte sempre nos surpreende. Continuamos lendo o número de retratos publicados e todos retratam sua rica personalidade humana e espiritual, com a fusão de culturas que ele possuía entre o Oriente e o Ocidente, desde que nasceu na província de Palencia, sua vida se desenvolveu amplamente nas Filipinas. e Japão, onde ele terminou seus dias. Um homem de abertura à interculturalidade, afável, com grande alegria e senso de humor, foi um prazer conhecê-lo.

Durante toda a semana, o quinto aniversário da publicação de Laudato Si é lembrado com atividades variadas e o lembrete permanente de cuidar do planeta Terra para o uso e gozo de todos os seres humanos, sem esquecer que eles são o centro da criação.

O confinamento forçado pelo qual vivemos por dois longos meses está chegando ao fim, embora lenta e progressivamente e sem baixar a guarda ou acreditar que tudo passou; Muita confiança e o abandono das medidas indicadas podem sair pela culatra. Mas dar um passeio, poder participar da Eucaristia, reunir-se em pequenos grupos ... dá algum alívio, embora seja muito estranho ver nada além dos olhos do povo, manter a separação o tempo todo, uma rara sensação de fuga ao invés de aproximação ... Vamos nos acostumar com esse modo de relacionamento?

Nós continuamos. Não vamos nos cansar para evitar contratempos. A firmeza e a conformidade com os regulamentos preventivos são um bom componente para cuidar da saúde e da vida. Tome cuidado para cuidar de nós mesmos. Há um bem maior e universal: trata-se de parecer amplo e alto, além dos meus próprios limites.

E, como León Felipe nos lembra:

“Voy con las riendas tensas y refrenando el vuelo porque no es lo
que importa llegar solo ni pronto, sino llegar con todos a tiempo”.

(Estou segurando as rédeas com força e restringindo o vôo porque não é que
é importante chegar sozinho não em breve, mas chegar com todos no horário)

É um esforço coletivo que nos dará vantagens para desfrutar de todos o aprendizado de que essa pandemia está, sem dúvida, nos deixando.


María Luisa Berzosa fi
Entrevías -Madrid
0
0
0
s2sdefault