Na Bolívia, desde 16 de março, eles disseram que seriam rigorosos com os cuidados de saúde por causa da pandemia, e deram uma semana para as pessoas conseguirem o que precisam para ficar em casa. Nós, que estamos em Cochabamba, somos poucos que saíram para a ação pastoral ou para as várias compras do que era necessário, por isso não foi tão difícil cumprir as medidas que foram dadas.

Como antes das estradas serem fechadas, eu vim de Buen Retiro para ir ao médico, mas como os hospitais e a clínica já eram rigorosos, o médico me aconselhou a ficar melhor em casa para melhor prevenção e assistência médica, e assim foi.

É realmente uma graça SER e SENTIR IRMÃS, desta vez de ESTAR EM CASA, pois todos nos tornamos conscientes do que significa estar todos juntos e em casa. Os diferentes materiais que estão chegando para viver melhor esse período de quarentena serviram muito para ter paciência, pois ninguém saiu (exceto aqueles que vão às compras quando chega o dia), nem recebe visitas em casa.

O fato de estar em casa nos levou a sermos criativos e procurarmos ajudar melhor as irmãs e o grupo comunitário. Comemoramos o presente da vida de Nieves Hernando e Maialen (Voluntária); alguns consertando e cuidando da horta, outros ajudando quem precisou de nós, compartilhando risadas com as histórias lembradas, piadas, compartilhando também a tristeza pela perda de um membro da família, orando juntos e já tendo a oportunidade de celebrar toda a Eucaristia virtual dias com a Missa do Papa Francisco, juntando-nos da oração a tantas famílias do nosso povo e de diferentes partes do mundo. Todos os dias chegam notícias e pretendemos orar pelo irmão / irmã que sofre.

E acompanhamos toda a província das notícias que vêm com a oração.

Hna. Rommy Villarroel FI
Cochabamba - Bolívia
0
0
0
s2sdefault