Mais um domingo e ainda estamos em casa. Mas é um domingo muito especial, é a Páscoa, o Senhor ressuscitou, não procuremos por quem vive para sempre entre os mortos.

Esse grito ressoou envolto em silêncio, nas ruas vazias, com nossas imagens imóveis na igreja, envoltas por tanta dor em nossa humanidade; tantas doenças e mortes não param de me causar um profundo sofrimento; Pessoas desconhecidas, distantes, mas outras muito próximas, neste hemisfério e em outros; há mortes sem morte, duelos na solidão e à distância, despedidas que rasgam o coração; Sabemos que há orações finais, que muitos padres prestam esse serviço delicado e necessário, mas por quanto tempo precisaremos fazer o duplo luto: ausência definitiva, por um lado, e impossibilidade física de estarmos próximos um do outro, chorando e nos abraçando, por outro.

Emprestado em quarentena, uma experiência sem precedentes e uma semana santa em casas fechadas, em hospitais, em campos de concentração, em cozinhas de sopa, em centros de detenção, em famílias que acolhem pessoas para aliviar a dor, naqueles que continuam a dia arriscando a vida.

Uma verdadeira semana santa, crua, penetrante até o âmago, não precisamos imaginar cenários, basta despertar nossos sentidos para nos deixar "tocar" à distância, "cheirar" o ar que nos é negado; "Ver" em horizontes de proximidade e distância; "Ouça" sussurros e gritos que sufocam as lágrimas; "Saboreie" tristeza, incerteza, medo ...

E, no entanto, nesta Páscoa 2020 que entrará na história depois de contemplar em silêncio, com profundidade, com profundidade, o que está acontecendo em todo o mundo, sem poder acreditar, nos deu uma grande ajuda em vários campos: poder acompanhar muitas horas de celebrações de tela dos dias sagrados: dedicação incondicional do amor prestado ao serviço que Jesus nos lembrou na quinta-feira santa e que o estamos vendo em tantos servos de nossa sociedade, que geralmente não percebemos que são e quão necessárias elas são, mas hoje apreciamos sua vida dedicada.

Permanecemos na hora santa, acompanhando a solidão, a dor daquele Jesus encarnado em muitos de nossos irmãos. Na sexta-feira, em solidão e silêncio, adoramos com profundo respeito interior, a paixão e a morte que têm rostos e nomes concretos. E no sábado continuamos na solidão habitada e à noite chegamos à luz, aquela vela multiplicada em milhares de pequenas e grandes velas, espalhadas por tantos lugares ao redor do mundo.

Uma celebração muito especial da Vigília Pascal, onde tudo ressoava do mundo digital e a uma distância física e real, mesmo entre as pessoas mais próximas, onde uma comunidade invisível se fez sentir em comunhão com a vela que acende, a Palavra que A criação nos diz: a glória com o toque dos sinos, a canção do aleluia, a renovação das promessas batismais, o pão quebrado sem ser distribuído, a paz traduzida em gesto, sorriso, olhar ... tudo é tão estranho! .

E, no entanto, recebemos a experiência da ressurreição e sentimos seus efeitos: consolo, paz, oração universal, percebendo que existe um rio subterrâneo que nos revitaliza e nos torna uma união comum, uma comunidade diversificada igualada pela dor e a morte. E agora, mais do que nunca, por essa esperança contra toda esperança, pela fé em que o amor é mais forte.

Que, nesta fase do caminho de nossa vida - tão surpreendente! -, mantemos a paz esperando, o profundo senso do que acontece conosco, o cuidado mútuo até que o surto de cura para a humanidade ferida chegue, porque temos muitas pessoas que Eles dão suas vidas diariamente para cuidar de nós.

Acabo me apropriando dos versos de R. Kipling:

 

Escolhi a vida ... E havia mil coisas que não escolhi, que vieram de mim

logo e eles transformaram minha vida.

Coisas boas e ruins que ele não buscava, uma vida que ele não esperava e

Eu escolhi pelo menos como viver isso.

Escolhi os sonhos para decorá-lo, a esperança de segurá-lo,

o coragem para enfrentá-lo.

María Luisa Berzosa fi
Entrevías - Madrid

0
0
0
s2sdefault