Os dias passam, eles estão acontecendo? Às vezes parece que o tempo parou, mas o mês de março terminou; A primavera já nos trouxe, mas as caminhadas pelos parques e jardins ainda estão de bom humor.

Muitas vezes, uma sensação de peso no ambiente e no corpo que sente a dor e a morte de tantas pessoas, próximas e distantes; colegas de trabalho, amigos, pessoas muito próximas a quem não podemos demitir; É um duelo duplo, algo que permanece pendente e, entre os que choram, não conseguem se consolar porque não conseguem se encontrar. Essa crise nos traz aspectos desumanos, mas também mil maneiras de proximidade, de consolo, de consolo, de ajudar um ao outro a correr.

Semana de ouvir vozes de outros países e continentes; Na Entreculturas, realizamos a reunião semanal às quintas-feiras e aguardamos com alegria a alegria de nos vermos e receber notícias de toda a família Fe y Alegría. Na semana passada, foi muito chocante ouvir dois jovens que estão no Brasil e no Peru sobre a realidade da saúde desses lugares, eles não têm itens básicos de higiene como a água ... eles decidiram continuar com o compromisso de se voluntariar apesar de tudo ou precisamente por causa de tendo descoberto que "aqui é o nosso lugar agora". Tudo um exemplo de entrega generosa.

Também nesta semana celebramos na Congregação as 151 inspirações que nosso Fundador recebeu em 2 de abril de 1869 para iniciar nossa família religiosa na igreja e no mundo daquela época; e a partir desse sonho que ela apoiou com a ajuda do Senhor, aqui estamos e, nesta situação de crise mundial, voltamos nossos olhos para ela, para seus começos e somos encorajados porque também não eram tempos fáceis.

Muitas vezes me pergunto se, diante das dificuldades que ele teve - tantas e tão fortes! - ele se arrependeu de ter sonhado e executado esse sonho, e seguiu outro caminho mais fácil, sem tantos problemas, quantas meninas e meninos ficaram sem educação. , sem um lugar seguro, sem a dedicação amorosa e exigente de seus professores. Sempre em tempos difíceis, gosto de olhar para Cándida María de Jesus e seus olhos me dão coragem e confiança para continuar.

Por esse motivo, recebemos cartas de nossos superiores e gerais provinciais que nos acompanham e nos dão notícias de toda a família dispersa pelo mundo; Soubemos disso que Mati, na Venzuela, e Pilar Brufal, em Myannmar, estão sozinhos, vivendo com os leigos e leigos com quem compartilham a missão. Outra razão para admiração e gratidão; nos sentimos “juntos” com eles à distância e desejamos que em breve eles estejam em uma de nossas comunidades.

E de várias partes do mundo, recebemos notícias de que a saúde está em perigo para muitas pessoas e os mais necessitados são sempre os primeiros a sofrer essas crises. Mas também compaixão e solidariedade se traduzem em formas altamente criativas, porque quando nossos corações são afetados e nossas entranhas são movidas, pensamos em maneiras e gestos nunca pensados, porque nunca experimentamos situações semelhantes. E estamos agradavelmente surpresos que, mesmo sem sair de casa, "devemos ir" àqueles que mais precisam de carícias, abraços, reconhecimento, companhia.

E continuamos agradecendo às cidades e vilas pelo serviço generoso de tantas pessoas que estão a nosso serviço na sociedade e que não valorizamos porque não percebemos o quanto elas são essenciais. Ao entardecer, agora com mais luz, damos aquele aplauso que canta "obrigado de coração e incentivo para que você continue dando a sua vida".

E também o Papa Francisco se aproxima do mundo novamente entrando em nossas casas no jantar com sua mensagem para a Páscoa e nos lembra: "Em Jesus ressuscitado, a vida derrotou a morte. Essa fé pascal alimenta nossa esperança Gostaria de compartilhar com você esta noite. É a esperança de um tempo melhor, no qual nós também possamos ser melhores, finalmente libertos do mal e desta pandemia. É uma esperança: a esperança não decepciona, não é uma ilusão, é uma ilusão. uma esperança".

E quando nos aproximamos do Domingo de Ramos, recebemos a notícia de que ainda estamos confinados - e também de confiança? - mais três semanas mais e precisamos respirar e fazer um esforço para continuar em casa para o bem comum. E continuamos a ouvir números, porcentagens e estatísticas sem saber o que realmente têm, mas queremos confiar que estamos melhorando ...

E a Páscoa bate à nossa porta e nos convida a fazer esta jornada muito próxima do Senhor em sua dedicação ao serviço final; sua paixão e morte hoje no crucificado de nosso mundo, mas tudo termina na ressurreição e não podemos mais procurar entre os mortos por quem vive.

María Luisa Berzosa fi
Entrevías - Madrid

0
0
0
s2sdefault