Carta nº 7 do Superior Geral, Graciela Francovig

 

Na festa íntima da inspiração de Rosarillo, quero convidá-lo a fazer deste um dia de memória agradecida pelo presente de nosso carisma à Madre Fundadora.

No meio dessa atmosfera que nos rodeia, façamos uma 'memória que nos abre para amanhã que, como no passado, será obra do Espírito Santo de Deus, de nosso Pai e de Jesus, seu Filho amado'. 1

Parece difícil agradecer e celebrar no contexto mundial que estamos vivendo. A dor, a tristeza, o medo estão presentes em todos nós, 'ele bate no ar, é sentido nos gestos, a aparência diz isso' ', disse o Papa Francisco em 27 de março.

Diante do medo, nossa Fundadora nos ensinou confiança: ‘Deus pode fazer tudo e Nele eu tenho toda minha confiança; E se formos bons como Ele quer que sejamos, Ele não nos abandonará na vida ou na morte. ' 2 E hoje essa carismática graça de confiança tem para nós uma nova face, algo que podemos oferecer aos homens e mulheres do nosso mundo nesta situação dramática.

Madre Cândida sentiu uma necessidade no tempo histórico que ela tinha que viver. E ele descobriu, no Senhor, uma resposta. Acreditamos nessa inspiração da qual nascemos.

Na minha carta circular anterior, convidei cuidado, responsabilidade e corresponsabilidade. Todos nós temos que cuidar de nós mesmos e ficar em casa, como muitos dos slogans que circulam na mídia nos dizem; mas essa congregação corporal não pode ser fechada no autocuidado. Se o Corpo é apenas para cuidar de si mesmo, fica doente, porque sua primeira vocação para ser pelos outros é afetada. Lembremos juntos o objetivo final que a Fórmula nos diz: "... promover a glória de Deus e o bem dos outros, mais do que nosso próprio bem-estar ou utilidade temporal". Cfr. CFI 2.

Nossa espiritualidade nos convida a buscar e encontrar o Senhor no aqui e agora da história. Este é o tempo presente, no qual Deus está e nos pede uma resposta. A questão que se coloca é: Senhor, o que você quer que façamos? Como ajudar neste momento específico de sofrimento devido à pandemia da covid-19?

Compartilhamos essa questão em nossas reflexões sobre o Governo Geral; é uma questão contrastada com os amigáveis ​​superiores gerais em Roma. E juntos estamos confirmando que precisamos descobrir como ajudar hoje. Será de uma nova maneira, porque a situação mundial em que vivemos é muito nova. Permanecer com o Senhor é ser guiado pelo Espírito Santo. Peçamos a graça de que é o Espírito Santo de Deus que 'inspira' em nós as respostas de ajuda, solidariedade e fraternidade que podemos inventar juntos. Essas são as circunstâncias do mundo em que podemos manifestar a bondade de Deus que nos torna todos irmãos, como nos diz a Determinação de CGXVIII, nº 2.

Por meio de diversos meios de comunicação, recebemos notícias de iniciativas concretas e gestos de proximidade e solidariedade que, dentro das diretrizes e precauções da OMS e dos governos de cada país, eles são possíveis e podem aliviar a dor, o medo, a solidão, a incerteza ... de muitas pessoas ao nosso redor. Às vezes, um simples telefonema, uma saudação, uma pergunta, caso seja necessário algo, uma palavra de encorajamento e esperança ..., há aqueles que começaram a fazer máscaras ou que deixam comida na porta do vizinho ... oferta da comunidade para ouvir quem precisa por telefone ... Há muitos pequenos gestos disponíveis para todos. O momento pede que sejamos caridosos também dentro de nossas casas.

Antes de concluir, gostaria de compartilhar com você que, em 31 de março, terminamos nosso projeto de trabalho com o JRS em Mianmar. O Serviço Jesuíta aos Refugiados considera que as mesmas pessoas do local são as mais adequadas para dirigir esses projetos. Por esse motivo, as irmãs que estavam lá foram enviadas: Pilar Brufal Jaén à Tailândia para continuar nossa colaboração no JRS, fortalecendo essa presença. Mary Juelar retornou à sua província de origem. Atualmente, Pilar continua em Mianmar, já que não é possível deixar o país.

Atualmente, temos duas irmãs que, devido a diferentes circunstâncias, estão sozinhas no país: Pilar Brufal em Mianmar e Matilde Polanco na Venezuela. Todo o Corpo Congregacional está com eles e eles são acompanhados por leigos na Igreja local.

Vamos intensificar a comunhão com essas irmãs, pois todos sentimos que viver desta vez é especialmente difícil.

Que o Senhor nos inspire com a ajuda que podemos oferecer aos nossos irmãos hoje. E essa é a melhor maneira de comemorar este 2 de abril de 2020, que entrará na história da humanidade.

Digo adeus a todos com a esperança de permanecermos unidos nesta festa de família e nesta conjuntura histórica.

 

 

Carta circular nº 102 da Superiora Geral María Inéz Furtado de Mendoza.

Cartas da Mãe Fundadora nº 118.

0
0
0
s2sdefault