Mais uma semana ... quantos ainda nos mantêm em casa? Aqueles que são necessários para superar essa pandemia, essa dor universal que nos mantém interconectados como nunca imaginamos.

Todos os dias estamos aprendendo coisas novas; Em uma nova era, é necessário ser criativo para continuar vivendo dentro, cultivando a interioridade pessoal e melhorando o máximo possível a nossa convivência doméstica.

Durante dias, a corresponsabilidade de permanecer no interior e com saídas essenciais cresce, mas com os cuidados necessários, porque a vida de muitas pessoas está em risco. Em Madri, a realidade das vítimas diárias nos domina, sente-se desamparado, é necessária muita ajuda e aqui estamos, trancados. Mas lembramos diariamente que a melhor maneira de ajudar é ficar sem sair.

E como todos os dias estamos nos aperfeiçoando nas conexões devido à obrigação do trabalho, também nos encontramos, com a tela à frente, em muitos espaços, interpessoais e em grupo, reuniões de trabalho e sociais, para acompanhar ansiedades e também rir juntos .

E, acima de tudo, nos acompanhar nos duelos antes da morte, tão intensos porque não há despedidas, tão desumanas, mas humanizadoras; criatividade, sim, tudo o que serve para nos ajudar e nos conter a suportar tanta dor, perto e longe.

E a notícia de que o vírus continua se espalha diminui nossas distâncias; nos sentimos muito próximos de nossos irmãos de outros países e continentes. E lembro-me de algumas das mensagens ouvidas no Sínodo da Amazônia e de que nossos irmãos e irmãs daquela região proclamavam com tanta força repetidamente e que acompanhamos nossas músicas: “tudo está interconectado, como se fôssemos um ; tudo está interconectado em nossa casa comum ”. Parece-me que agora é verdade à letra.

E também me ajuda a lembrar de seus ensinamentos: "o bem viver" entendido como uma conexão consigo mesmo, com os outros, com a criação, com Deus. Esta é a oportunidade - não vamos esquecer - de uma profunda interioridade, de uma síntese serena entre cabeça e coração, de um reflexo de nosso sistema de valores, de nosso senso de existência; de aprender a escolher entre o essencial e o relativo; momento propício para discernir - que começa ouvindo a realidade pessoal e social -, o que Deus de nossa humanidade deseja hoje e aqui. Qual é o seu sonho para os seres humanos e como podemos colaborar para que se torne realidade.

Em nível pessoal, isso me ajuda a manter uma reunião global toda semana com "minha família" da Entreculturas, naquele espaço virtual onde cem pessoas se reúnem para nos ver, para ouvir como nossos projetos continuam, o voluntariado internacional - nossos colegas decidiram ficar nos países. estão-; o imenso problema para migrantes e refugiados, para tantas crianças e adolescentes privados de escola e pão, alimentos essenciais para crescer e amadurecer na vida ... no entanto, é reconfortante e alivia muito o sofrimento, sabendo que as equipes estão trabalhando duro, com uma entrega imensamente generosa, oferecendo o melhor de suas pessoas e habilidades profissionais.

Espaços que nos nutrem, que nos sustentam, que dão sentido a viver essa oportunidade histórica com todo o seu realismo cruel, mas ao mesmo tempo com a ajuda solidária e fraterna que nos desperta como seres humanos, distantes no mundo, encarnados de uma maneira muito palpável no mundo da saúde e em tantos funcionários públicos, às vezes muito anônimos, que sustentam essa emergência planetária.

E também existem muitos espaços de ajuda espiritual: Eucaristia, retiros, orações ... estamos oferecendo o melhor que sabemos e podemos, porque esses elementos se fortalecem e se confortam. E reunimos centenas e milhares, atravessando fronteiras e hemisférios para orar e cantar juntos.

Mas esta semana que termina nos deixa ricos ensinamentos, como a oração de nosso Papa Francisco no dia 27. Aquele abraço ao mundo, aquela bênção universal em uma praça de São Pedro que é inédita, sua mensagem comentando a passagem evangélica do barco afundando, não vamos esquecer facilmente.

Ele não pôde escolher uma mensagem melhor para este momento de tempestade, de medo diante das ondas, de escuridão devido ao isolamento ... Sim, esse texto é muito real aqui e agora nesta fase em que temos que viver. E o comentário não foi desperdiçado; Lembramos apenas alguns parágrafos aqui:

“Densa escuridão cobriu nossas praças, ruas e cidades; eles tomaram conta de nossas vidas, enchendo tudo com um silêncio ensurdecedor e um vazio desolado que paralisa tudo em seu caminho: palpita no ar, sente nos gestos, dizem os olhos. Nós nos encontramos assustados e perdidos. Como os discípulos do Evangelho, fomos atingidos por uma tempestade inesperada e violenta. ”

E o Papa continuou:

"Percebemos que estávamos no mesmo barco, todos frágeis e desorientados; mas, ao mesmo tempo, importante e necessário, todos chamados a remar juntos, todos necessários para confortar um ao outro. Estamos todos neste barco .

E, com os olhos atônitos, diante do cenário que as câmeras nos mostraram, em uma tarde romana chuvosa, apenas com o Papa Francisco, continuamos a ouvir no Evangelho de Marcos: “Por que você tem medo? Você não tem fé?

E recebemos essa bênção como um abraço reconfortante que pede "saúde ao corpo e conforto ao coração".

E continuamos a manter a confiança de que estamos unidos por essa fragilidade que experimentamos, mas também pela força da ajuda solidária que atravessa o mundo.


María Luisa Berzosa fi
Entrevías - Madrid

0
0
0
s2sdefault