Era sábado 24 de Março.  Roma nos deu um amanhecer brilhante com céu limpo e sol radiante; em casa já se sentia um rumor que anunciava recolher, limpezas,  malas a ponto de serem fechadas, e sorrisos e alegrias não isentos de emoção.

Tomei café com o grupo, e depois comecei a fazer breves entrevistas com as irmãs que quisessem, para escutar ecos de sua experiência e colocá-los no site, para serem compartilhados. 

Foi um dia festivo e familiar; e estivam também as irmãs de Regina Pacis; a Eucaristia celebrada com um jesuíta do Brasil, Claudio Paul, com cantos e preces em diversos idiomas; o grupo era formado por irmãs de sete países do Oriente e Ocidente. O ar que se respirava era de gratidão a Deus e à Congregação por este tempo pleno de possibilidades na “escola do afeto”, como preparação a uma incorporação definitiva em nossa família religiosa.

À tarde nos reunimos novamente para um tempo de oração- “Encontro de gratidão”- onde fomos fazendo memória deste tempo de encontros diversos, em lugares diferentes, desde a rota de nossa Fundadora quando pudemos conhecer muitas Filhas de Jesus, até as experiências vividas em Roma. Foi muito bonito e emotivo.

Graciela quis iniciar esta rodada de entrevistas que foram centradas em duas perguntas:

  • Que mensagem você leva deste tempo?
  • O que você diria às irmãs mais jovens?

Graciela é da Argentina; agora, ao voltar a seu país, vai enviada a Córdoba,  casa que forma parte de uma comunidade ampliada com Monterrico (Jujuy).

  • Uma grande novidade; ser testemunha de uma vocação que se confirma é um privilégio; partilhar de perto com irmãs de diversos lugares e especialmente com as que eu conhecia menos, me ajudou a aprender com elas. Pude palpar o frescor do carisma, seu zelo apostólico, suas buscas, as dificuldades que vivem, os desafios e, em meio a tudo, a alegria de serem Filhas de Jesus.
  • Vale a pena este modo de vida na igreja e no mundo, frente a tantas e diversas ofertas; é importante fazer silêncio para escutar Deus que dá sentido e profundidade à nossa vida. O Senhor continua chamando as jovens, e isto é uma esperança em vista às futuras vocações. Saio desta experiência muito contente e feliz.

Agora nos fala Petra, de Taiwán:

  • Confiança e esperança em Deus e nas irmãs, na congregação, na igreja e em mim mesma.
  • Nosso carisma é precioso e é um presente de Deus; também nossas Constituições são preciosas e expressam luz e guia para nossa vida; ler profundamente a história de nossa Fundadora é ler a salvação.

Arisleyda, da República Dominicana compartilha conosco:

  • Levo alegria, gozo e gratidão por me sentir amada por Deus, confiante, experiência de sentir que minha vida é para os demais, que sou chamada a acompanhar, a consolar, sendo esperança para os demais.
  • Somente a proposta de Jesus pode dar plenitude e felicidade para sua vida; atrevam-se a fazer silêncio e descubram que Deus as chama e as confirma na realidade. Deixem abrasar pelo amor que compromete; seguir Jesus é um caminho apaixonante e cheio de desafios que nos dá uma alegria transbordante.

Ânimo! Arrisque-se!  

Dina, de Filipinas,  também quer falar conosco:

  • Agradecida pela possibilidade e pelas muitas graças que o Senhor me deu ao sentir o amor de Deus no Corpo congregacional, com a experiência pessoal mais profunda de encontro com Ele. Sentir a missão como o centro de nossa vida, olhar as coisas a partir de Deus.
  • Vale a pena apostar nesta vida que é bonita e enriquecedora e leva a Jesus; é uma experiência que queremos levar aos mais jovens; alegria de poder dar aos demais o que recebemos. 

Vamos a Cuba e escutamos Anabelis:

  • Caminhar interna e externamente guiadas pela mão de Jesus. Coração agradecido a Deus por tanto bem recebido e à Congregação por esta oportunidade, por todos os meios que nos ofereceu, pelas orações; agradeço às irmãs; também tenho muitos desejos de voltar à Cuba, sendo resposta de Deus nessa realidade onde fui enviada novamente, e com abertura e disponibilidade para me entregar. Obrigada, Senhor, por tanto bem recebido.
  •  Agradeço seu sim, sua entrega e disponibilidade, sua juventude entregue com paixão, e desejo que Jesus continue sendo o centro de suas vidas.  Estamos unidas, ânimo, e rezemos umas pelas outras. 

Voltamos às Filipinas e neste momento falamos com Eidhen:

  • Tempo de graça, aberta a Deus, a seu amor eterno através de diversas experiências. Olhos fixos na pessoa de Jesus que nos inspira por dentro para ter um novo olhar. Depois desta experiência Deus me convida a ser uma Filha de Jesus nova, experiência profunda de estar com Deus e compartilhar seu amor através de tanta formação oferecida e, especialmente, do mês de Exercícios.
  • Cuidem de sua relação com Deus porque é muito importante ter e aproveitar a formação que a congregação nos dá porque ajuda para crescer na pertença à mesma.

Agradecemos por tudo que foi vivenciado neste tempo. Com certeza foi muito mais do que recolhemos em algumas linhas.  Graciela como Instrutora, e Inês Ma que colaborou com a tradução, foram duas pessoas chave neste processo, e as irmãs o reconhecem com muita gratidão. Também elas foram abençoadas ao terem o privilégio de acompanhar este caminhar.

María Luisa Berzosa fi

0
0
0
s2sdefault