Faz 105 anos que Cândida Maria de Jesus FI faleceu em 9 de agosto com a idade de 67 anos, deixando 149 Filhas de Jesus em 13 comunidades de Espanha e Brasil, e uma vida que resplandecia com um singular amor a Deus. Passou toda a vida e cada instante dela buscando a maior glória de Deus e o  fiel serviço a Ele.
Primogênita de 7 filhas, Juana Josefa Cipitria y Barriola nasceu em uma família humilde e profundamente cristã em Andoáin, Guipúzcoa, Espanha. Juana Josefa, ainda jovem, falou com seus país sobre sua decisão de se consagrar a Deus na vida religiosa. Ante as insistentes propostas de casamento que seus país lhe apresentavam, respondeu repetidamente: "Eu, somente para Deus". Assessorada por seu confessor, se mudou a Burgos e serviu uma casa como empregada doméstica.
Em 1869 foi a Valhadolí com a família para quem servia; ali, em 2 de abril de 1869, na Igreja de Nossa Senhora do Rosário (mais conhecida como a igreja do Rosarilho), diante do altar da Sagrada Família, compreendeu claramente que tinha que fundar uma nova congregação com o nome de "Filhas de Jesus", dedicada ao proveito espiritual das almas e educação católica dos povos por meio da oração e outras obras de piedade e caridade, particularmente a educação cristã de crianças e jovens.
Assim nasceu o Instituto das Filhas de Jesus, na simplicidade e pobreza, em Salamanca dia 8 de dezembro de 1871, dia da Imaculada Conceição de Maria, para quem a Madre Cândida teve um verdadeiro amor filial, chamando-a a verdadeira fundadora do instituto e invocando sua proteção. Como fundadora, Madre Cândida vivenciou forte pobreza pessoal (sua escassa preparação intelectual, a falta de meios econômicos e de ajuda material no início da fundação e durante toda sua vida). Porém, também teve uma profunda experiência e conhecimento íntimo do grande e infinito amor do Pai, que nunca nos abandona. Isto lhe deu um profundo espírito de fé que lhe permitiu ver pessoas, acontecimentos e tudo à luz de Deus, e uma firme confiança e esperança em Suas promessas - fé que ela instou suas próprias filhas a nutrirem:
"Todas as que pertencem a esta Congregação estão chamadas a ser verdadeiras Filhas de Jesus. Fieis a esta vocação recebida na Igreja, e segundo a graça com que as ajudará o Espírito Santo, hão de ter ante os olhos a Deus como Pai. Colocar-se-ão em suas mãos com total confiança, sabendo que Ele vela por seus filhos e os ama; estarão sempre dispostas para fazer em tudo sua vontade, encontrando nela a alegria, e dispostas a trabalhar para a maior glória divina em bem do próximo...” (CFI 136)
Com Jesus, a Madre Cândida teve uma relação próxima e constante que a fez buscar ser como Ele como um filho se parece com seu pai. Seguindo seus passos, as Filhas de Jesus sentem-se especialmente chamadas a viver em uma atitude filial a Deus como Pai, caracterizada pela identificação com Jesus, a confiança, a segurança em seu amor incondicional e louvor. Este rosto de Deus que contemplamos, particularmente em Jesus, nos convida à fraternidade com todos, à gratidão, à simplicidade, à alegria inclusive quando experimentamos a cruz.
Madre Cândida tinha uma fina caridade pelo próximo, delicada sensibilidade para seu bem autentico. Queria que suas filhas procurassem o bem de seus próximos mais do que seu próprio bem estar ou utilidade temporal. Como era de família humilde e se decidiu abandonar sua terra natal quando era jovem, teve una experiência humana muito próxima dos necessitados. Quando era doméstica disse um dia: "Onde não há lugar para meus pobres, não há lugar para mim". Inegavelmente, foi sua experiência de Deus como o Pai de todos, que abriu seu coração aos mais necessitados, porque todos somos irmãos e irmãs. Dada sua profunda união com Deus, como não sentiria o que o Pai sente ao ver sofrer Seus filhos?
"Deus o quer" era seu lema. Hoje, a Congregação fundada por ela está presente na Argentina, Bangladesh, Bolívia, Brasil, China, Colômbia, Cuba, República Dominicana, Itália, Japão, Moçambique, Mianmar, Filipinas, Espanha, Taiwan, Tailândia, Uruguai, Venezuela e Vietnam.
As Filhas de Jesus e nossos dedicados colaboradores leigos e leigas oferecemos uma educação evangelizadora que prioriza  os valores do Reino como o amor universal, a solidariedade, a simplicidade e a proximidade, a liberdade e a responsabilidade, a alegria e a serenidade, o respeito, a participação e a acolhida. Uma educação para aprender e se exercitar em viver como filho de Deus e irmão de todos. É uma educação com um enfoque positivo, dando prioridade ao amor, à motivação e ao estímulo, seguindo o que disse Madre Cândida: "usarão o método mais alegre...”
A Madre Cândida foi canonizada pelo Papa Bento XVI em 17 de outubro de 2010. Em julho de 2008, a Superiora Geral, Maria Inez Furtado de Mendonça, ao comunicar à Congregação os passos mais significativos do processo de canonização da Madre Cândida, solicitou a colaboração das irmãs no processo, pedindo-nos comprometer-nos cada dia com o desejo da Fundadora para nós: nossa própria santificação e a busca do bem de nosso próximo, mais do que nosso próprio bem estar ou utilidade temporal.
O Cardeal Ângelo Amato, SDB, em seu livro “I Santi: Ministri della Carità” [Os Santos: Ministros da Caridade], citando uma carta escrita por São Bernardo entre 1124 y 1125, que foi inserida no tratado De diligendo Deo, escreve:
“A verdadeira e sincera caridade é aquela que ama o bem dos demais como se fosse nosso: ‘Alguns louvam o Senhor porque Ele é poderoso; outros o louvam porque Ele é bom para eles; e finalmente há quem simplesmente o louva porque Ele é bom. O primeiro é servo, e teme por si mesmo; o segundo é mercenário, e pensa primeiro em si mesmo; o terceiro é filho, e honra seu pai [...] Somente a caridade que está no filho não busca seus próprios interesses.’
Fora da caridade, tudo mais que se fizer, se faz por egoísmo; e onde há egoísmo há rincões e esconderijos, e onde há  rincões e esconderijos há lixo e imundície. A caridade, por outra parte, é imaculada, porque não retém nada seu: ‘A lei de Deus, que se chama imaculada, é, portanto, a caridade. Não busca seu próprio proveito, mas o que é bom para muitos outros’. A caridade é a essência mesma de Deus porque Deus é caridade (1 Jo 4: 8). Os santos são o espelho da caridade divina.” [Sublinhado e traduzido por esta autora.]
Santa Cândida Ma. de Jesus foi canonizada faz quase sete anos, porém ainda sinto-me convidada a escutar com mais atenção o chamado à santidade que nos recorda esse acontecimento. Sinto fortemente o chamado a viver o Evangelho de Jesus Cristo, a estar mais centrada em Sua pessoa como Madre Cândida, a ser tão semelhante a Jesus que seja reconhecida como "Filha de Jesus".
Hoje somos aproximadamente 800 Filhas de Jesus e numerosos homens e mulheres leigos na grande família da Madre Cândida, em 19 países. Ela nos ajude com sua constante intercessão e orações, e que nossas vidas rendam tributo à sua memória. Feliz Dia da Madre Cândida!

Anna María Cinco FI

Filipinas

0
0
0
s2sdefault